quarta-feira, 4 de abril de 2018

Rua Jorge Bleyer - Georg Carl Adolf Bleyer


Ismênia Ribeiro Schneider
Cristiane Budde

            Dedicamos a matéria de hoje a um personagem importante na medicina, na saúde pública e, também, em relação à antropologia e arqueologia brasileira, e que, conforme visto na matéria anterior, é pai de Thássilo Neves Bleyer, que foi farmacêutico em São Joaquim e Urubici.


Georg Carl Adof Bleyer (ou Jorge Carlos Adolpho Bleyer, ou ainda Jorge Clarke Bleyer) se destacou como defensor da higiene pública no estado de Santa Catarina, e publicou diversos estudos sobre medicina, zoologia, etnografia e arqueologia[i]. Recebeu também em São Joaquim (SC, no Bairro Martorano) e em Lages (SC, no Bairro Coral), nome de rua em sua homenagem: Rua Jorge Bleyer.


            
         Nasceu na Alemanha, em Hannover (21/01/1867), filho de Friedrich Karl Cristoph Caspar Bleyer (nascido em Linden, Alemanha) e de Carolyn Amalie Clarke (nascida em Manchester, Inglaterra)[i],[ii]. Jorge Bleyer diplomou-se em Ciências naturais na Alemenha, em 1888, e em Medicina Tropical na Inglaterra, em 1891[iii].
Jorge Bleyer “foi profundamente influenciado pela leitura dos livros do naturalista alemão Karl von den Steinen (1855-1929), primeiro estudioso a registrar os hábitos e costumes dos povos nativos do Brasil Central. Steinen realizara duas expedições ao Xingu na década de 1880, deixando um amplo levantamento cartográfico e etnográfico da região. Estimulado pelos relatos de Steinen, Bleyer, que ganhara como presente de formatura uma viagem à Índia e à América do Sul, aportou no Brasil em 1892. Depois de percorrer os lugares visitados por Steinen, acabou fixando-se em Blumenau, Santa Catarina”[iv].

Georg Carl Adolf Bleyer, ou, como era mais conhecido, Jorge Bleyer.

            De acordo com Costa (2003, p. 273-274), “Ao chegar ao Brasil, em 1892, [...] acabou se fixando em Blumenau, localidade catarinense onde viviam seus compatriotas e o notável Fritz Müller*. Sua chegada àquela vila, onde quase não havia médicos, foi providencial e ele logo começou a trabalhar no hospital local e em povoados próximos. O trabalho era intenso, e as condições de vida muito diferentes daquelas da Europa, a que estava acostumado. Enfrentava toda sorte de dificuldades para assistir os doentes moradores na zona rural”.

*Notas: Fritz Müller: Johann Friedrich Theodor Müller, considerado um revolucionário em política, religião e filosofia, Fritz Müller, como ficou conhecido no Brasil, foi um estudioso do meio ambiente. Foi reconhecido mundialmente pela publicação Für Darwin, para Charles Darwin no ano 1864, cinco anos após Darwin publicar a obra A Origem das Espécies. Foi o primeiro cientista a apresentar modelos matemáticos para elucidar a seleção natural e fornecer provas contundentes da mesma. Foi chamado por Darwin de O Príncipe dos Observadores. Müller deixou uma obra naturalística enorme, que contribuiu para fundamentar e enriquecer a teoria da evolução das espécies por seleção natural de Darwin e projetou o Brasil no cenário da culta ciência europeia. Disponível em: https://www.fundacaofritzmuller.com.br/site/historia. Obs.: Sabemos de três cidades que têm uma rua com o nome de Fritz Müller, em sua homenagem: Blumenau, Indaial e Florianópolis.

VER: Catálogo virtual Fritz Müller: https://issuu.com/martiusstaden/docs/catalogo_fritz_web.


No ano de 1897, encontram-se os primeiros registros acerca do segundo médico evidenciado de Lages (SC): Georg Carl Adolf Bleyer (o primeiro teria sido o Dr. Rueben Cleary)[v]. No ano seguinte, casou-se com Adelaide Augusta Neves (falec. 29/10/1954, com 75 anos[vi]), filha do Capitão João Augusto Xavier Nunes e de sua esposa Rosalina Pereira de Macedo Neves.
Matrimônio de Jorge Bleyer e Adelaide: 21 de maio de 1898, Lages (SC). Ele, com 31 anos de idade. Ela com 19 anos[vii].
Bleyer residiu também em Campos Novos (SC), São Joaquim (SC) e Palmas (PR)iii.

Assinaturas na Certidão de matrimônio de Jorge Bleyer e Adelaide Neves.


O casal, Jorge Bleyer e Adelaide, teve os seguintes filhos[ii, vi]:
- Silvio Neves Bleyer;
- Tacilo (Thassilo) Neves Bleyer;
- Hilário Neves Bleyer;
- Afonso Neves Bleyer;
- Aloisio Neves Bleyer;
- Ademar Neves Bleyer;
- Ondina Neves Bleyer;
- Carmen Bleyer Ramos. C.c. Jaui Camargo Ramos;
- Carolina Bleyer Waltrick, c.c. Leopoldo de Oliveir Waltrick;
- Angélica Bleyer de Meira Lima, viúva do major Joathan de Meira Lima.

      Bleyer orientava a população a respeito de medidas de prevenção de várias doenças, principalmente e leprai. Realizou também alguns estudos sobre a saúde indígena, e trouxe importantes contribuições para a área de bacteriologia e doenças infecciosas. Desenvolveu estudos ao lado de Adolpho Lutziii.

Nota: Adolpho Lutz (1855 – 1940) foi médico, sanitarista e cientista brasileiro, atuou na área da medicina tropical e da zoologia. Foi pioneiro nas áreas de epidemiologia e na pesquisa de doenças infecciosasiii.

            Jorge Bleyer apresentou, portanto, contribuições muito relevantes para diversas áreas, a partir das suas pesquisas, “em uma época em que os deslocamentos entre cidades, estados e países eram difíceis. Além disso, as pesquisas que desenvolveu foram financiadas com recursos próprios” (MANFROI, 2011, p. 8).  

Faleceu em 06 de agosto de 1955, em Lages, com 78 anos. Causa registrada da morte: Caquexia senilii.

Rua Jorge Bleyer em São Joaquim, SC.

Rua Jorge Bleyer em Lages, SC.


Para saber mais sobre Jorge Bleyer, indicamos, em especial, dois artigos:

COSTA, Therezinha de Jesus Thiber Bleyer Martins. Caminhos percorridos pelo dr. Jorge Clarke Bleyer nos campos da medicina tropical e da pré-história brasileira. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, vol. 10(1):272-85, jan.-abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702003000100010&script=sci_abstract&tlng=pt.

MANFROI, Ninarosa Mozzato da Silva. Biografia e intelectualidade: as investigações cientificadas de Georg Bleyer. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho de 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1312726679_ARQUIVO_ArtigoXXVIANPUHNacional17a22jul2011NinarosaREVISADO.pdf.


Referências


[i] COSTA, Therezinha de Jesus Thiber Bleyer Martins. Caminhos percorridos pelo dr. Jorge Clarke Bleyer nos campos da medicina tropical e da pré-história brasileira. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, vol. 10(1):272-85, jan.-abr. 2003.

[ii] Certidão de óbito do Dr. Jorge Carlos Adolpho Bleyer, 1955. Lages, Livro 32, Fls. 102, registro n. 7369. Disponível em Familysearch, Lages, Óbitos 1955, Fev – 1958, Jan: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:S3HY-XC6P-73?i=86&wc=MXYY-M6D%3A337700801%2C337700802%2C340063201&cc=2016197.

[iii] MANFROI, Ninarosa Mozzato da Silva. Biografia e intelectualidade: as investigações cientificadas de Georg Bleyer. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho de 2011. Disponível em: 

[iv] BVS Adolpho Lutz. Jorge Clarke Bleyer (1867-1955). FioCruz, 2018. Disponível em: http://www.bvsalutz.coc.fiocruz.br/html/pt/static/correspondencia/jorge.php.

[v] ANDRADE, Eveline. Cidade nos Campos de Cima da Serra: Experiências de urbanização e saúde em Lages-SC – 1870 a 1910. PPGH, UFSC, Florianópolis, 2011.

[vi] Certidão de óbito de Adelaide Neves Bleyer, 1954, Lages.

[vii] Certidão de matrimônio de Jorge Bleyer e Adelaide Neves, Lages, 1898.

Nenhum comentário:

Postar um comentário